segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Batalhas Íntimas


Nunca supervalorize a estranha habilidade de lidar com a efervescência dos sentimentos: dominar os sintomas clássicos das ruidosas emoções que, com efemeridade se extinguem, não passa de uma medíocre aptidão. É a morna tristeza que desestabiliza. A dolorosa inquietação que provém de determinada ausência é a tirana capaz de massacrar os desavisados.

(A saudade não ruge: é um som quase inaudível mas com poder agudo de destruição.)

Portanto, não se engane com a ensaiada cortesia: essa hóspede indesejada é dotada de uma indomável persistência. A memória é o seu combustível e nos leva a vagar entre os espectros de um tempo distante onde sábias decisões, um enredo satisfatório e finais felizes são inexistentes.

(Alimentar o passado causa rachaduras profundas em nossos corações.)

Assim, entregue aos demônios, tentamos em vão despedaçar a bússola interna que nos atrai aos planos não concretizados que somente elevam o sofrimento ao seu maior grau. Contudo, a revolta é impotente. Apesar das lágrimas contidas, a capacidade de sobreviver às lembranças é apenas uma vitória vazia que cheira à frustração.

82 comentários:

  1. Helena,

    Batalhas íntimas são épicas. E as vezes com o péssimo hábito de se estendem por uma vida. Como aqueles seriados que duram anos e anos. Perto do final o enredo vai ficando mais fraquinho, a gente quase não lembra mais o começo, talvez sentindo até alivio por estar acabando.
    Acho que falei demais. Misturei tudo! rsrs

    Sempre legal rever seus textos!

    Beijos!

    Dave.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Dave!
      Obrigada! Misturou nada, não! Os seus comentários são sempre uma delícia e muito bem-vindos! E você tem razão, acho que alguns sentimentos vão nos perseguindo por toda uma vida inteira.

      Beijo grande!

      Excluir
  2. É passado... Já passou e levou uma porção do tempo.
    Boa semana.Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Maria Emilia!
      Pois é! Pior quando o passado está presente. ;)

      Beijão!

      Excluir
  3. Helena, nobre amiga!
    Eis mais um gatilho perigoso néh? O lado bom é saber de sua existência, matar esse leão que não ruge, ou saber como lidar com ele.

    Alimentar esse leão disfarçado de gatinho é muito perigoso. Gostamos do perigo, no fundo sabemos que vamos ser mordidos e arranhados pelas garras de falso gatinho, que não esconde sua intenção.

    As lágrimas mesmo após os ferimentos não devem ser contidas. usa-las com a finalidade de anestesiar a dor é um bom analgésico. Embora temporário esse alívio, elas também ajudam na cicatrização!

    Um forte abraço e mais uma vez parabéns pelo texto. Ajudou para eu refletir sobre alguns leões que não rugem aqui dentro.

    Boa semana.

    Wellington Maia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Wellington!
      Os seus comentários são fantásticos. Muito obrigada pelo carinho e por sua visita! E com certeza, talvez, estejamos sempre em perigo quando subestimamos os nossos inimigos. Muitas vezes eles são bem mais fortes do que aparentam. ;)

      Beijos, meu querido!

      Excluir
  4. São íntimas e solitárias as verdadeiras grandes batalhas.
    GK

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, GK!
      Isso mesmo... são árduas batalhas!

      Beijão.

      Excluir
  5. Seu texto é um dedo na ferida. Traz entendimento. É um print exato do meu momento. Vejo que serei assíduo por aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Thiago!
      Muito obrigada pela visita e pelo comentário... seja bem-vindo! A casa é sua. Apareça sempre!

      Beijão!

      Excluir
  6. Divagar sobre o passado não é um mau exercício (apesar de, por vezes, ser como olhar directamente para o sol, fere-nos), porém é importante ter a consciência que ele é inalterável e não há lugar para "e se", apenas a resposta a alguns "porquês" que nos ajudam a obter um novo olhar para enfrentar o futuro de forma diferente.

    Adorei o texto Helena!

    Um beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Perseu!
      Perfeito! Não há como renegar ou esquecer, talvez, a única alternativa seja mesmo a preparação para um futuro melhor.

      Beijo grande!

      Excluir
  7. Postagem maravilhosa, obrigado pela visita.
    Blog: https://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br/
    Canal:https://www.youtube.com/watch?v=DmO8csZDARM

    ResponderExcluir
  8. Com sempre, Helena, textos ricos em sensibilidade. Gostei muito e me identifiquei...frustrações...nem sei o que dizer!
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Sandra!
      Muito obrigada, querida! Receber sua visita é sempre um prazer.

      Beijocas!

      Excluir
  9. Muitas vezes as coisas que nos tocam mais são aquelas que na altura em que estão a acontecer nem nos apercebemos.

    Bom dia, Helena:))

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Legionário!
      Com certeza! A nossa perspectiva pode acabar mudando depois de certo tempo.

      Uma ótima semana para você, querido.
      Beijos! ;)

      Excluir
  10. Respostas
    1. Olá, Fred!
      É isso aí. Machuca sem piedade. ;)

      Beijo grande!

      Excluir
  11. Uau, você é escritora profissional? Porque olha, seus textos são magnificos, tão cheios de sentimento e verdade...me deixou sem palavras.
    Parabéns, você é extremamente talentosa com as palavras!! quando eu crescer quero ser igual a você haha
    beijooos
    https://meiosentimental.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Jessie!
      Ah, que linda! Muito obrigada por sua gentileza! Quem me dera tudo isso... Apareça quando puder, é um prazer receber a sua visita.

      Beijão!

      Excluir
  12. - E me lembrando de te esquecer, acabei por me lembrar de você...

    Uma vez escrevi sobre a saudade que é "visita que aparece quando o dono da casa vai embora"... e nesse contexto, um querido amigo me ensinou sobre a saudade que é "a casa". Que silenciosa, é o todo em torno de nós, e nós um pedacinho dela... essa minha cara, não sei lhe dizer como, quando, ou se um dia, o silêncio dela para de gritar.

    Abraço carinhoso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Bárbara!
      Uau! Que profundo! E tem razão, minha querida, alguns silêncios são capazes de nos machucar profundamente.

      Beijos, querida!

      Excluir
    2. Esse meu amigo querido me deixou dias pensando sobre o assunto, e procurando algo que pudesse ser resposta à altura... não encontrei, tamanha a profundidade dessa lição. No fim só pude dizer a ele: Tens razão!

      Abraço carinhoso

      Excluir
    3. Algumas pessoas são mesmo surpreendentes. Muitas vezes, tê-las por perto é um constante aprendizado.

      Beijinhos!

      Excluir
  13. OOOOOOOOI

    Helena, por favor: Escreva um livro. Eu preciso das suas palavras pra caminharem comigo enquanto os dias passam.
    Cara, eu adoro demais tudo que você faz e posta aqui!

    beijo
    www.beinghellz.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Hellz!
      Minha querida, nem mereço tantos elogios assim! Muito, muito obrigada. A sua presença por aqui é sempre motivo de alegria.

      Beijo grande!

      Excluir
  14. Bom dia!
    Que ótima abordagem!
    Adorei ler aqui.
    Ótimo fim de semana.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Catia hoAlc!
      Muito obrigada pela visita. Apareça quando puder. ;)

      Uma ótima semana para você.
      Beijão!

      Excluir
  15. Olá! A saudade fere mas abre comportas esquecidas! lindo texto, abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ives!
      Realmente, dói de verdade! Muito obrigada, querido.

      Beijos!

      Excluir
  16. Li seu texto imaginando uma voz bonita narrando-o e uma cena inicial de filme. Foi ótimo!

    Abraços!

    As moscas na janela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Larissa!
      É somente a sua imaginação que poderia fazer algo tão bonito! ;)

      Beijão!

      Excluir
  17. Impactante texto bela Helena, navegas na complexidade que faz parecer fácil entender, interpretar, só que não, ao mesmo tempo um texto desbravador de sentimentos, colocando em xeque, nossos próprios fantasmas, memórias, saudades...tudo que poderia ter sido e não foi, um belo exercício de como lidar com as frustrações que nos acompanham no desenrolar de nossas histórias, nossas vidas. Helena sempre surpreendente minha passagem por aqui...já falei que me encantam e intrigam teus títulos, né?
    " (A saudade não ruge: é um som quase inaudível mas com poder agudo de destruição.)" É poético e definitivo, chega a ser plástica este frase, assim como "(Alimentar o passado causa rachaduras profundas em nossos corações.)". Tenho a impressão que fiquei buscando, entender, sentir e me entender com meu resgate, com minhas memórias, com o que sou hoje, com o que eu recebo agora, este belo e impactante texto. Obrigado bela Helena e sempre um prazer ter ler por aqui.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Jair!
      Não sou merecedora de tanto carinho, meu querido amigo! A sua presença me deixa mais do que feliz... só posso agradecer por seus comentários tão gentis! É sempre um prazer compartilhar um pedacinho da minha vida com pessoas que tanto estimo.

      Beijo grande!

      Excluir
  18. Boa tarde, na vida encontramos muitos conselheiro, é fácil dar conselhos, o que não é nada fácil, julgo que até, é impossível mudar os sentimentos e reagir aos mesmos.
    O texto que partilhado é fantástico, sua escrita é excelente ao quadrado.
    Continuação de feliz semana,
    AG

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, AG!
      É mesmo verdade... dificilmente conseguimos captar toda a vastidão dos sentimentos alheios. Somos seres de uma complexidade absurda. Agradeço de coração o seu comentário.

      Tenha uma ótima semana! ;)
      Beijão!

      Excluir
  19. Ótima abordagem; mas para cicatrizações de qualquer
    viés, não existe outra saída a não ser seguir em frente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Janicce!
      Certamente, é essa a alternativa. ;)
      Muito obrigada!

      Beijo grande!

      Excluir
  20. Então...Gosto da ideia de viajar, conhecer novas pessoas e lugares. Mas nunca viajo, por falta de grana pra viajar e/ou tempo disponível. Mas adoraria mudar isso. Uma ideia foi criarum espaço para que viajantes compartilhem sua casa e depois sejam convidados a conhecer a cidade do hóspede que recebeu, ficando tbm em sua casa. É só uma ideia. Vamos ver o q rola. Moro em Arraial D'ajuda, Porto Seguro. E adoraria receber pessoas e mostrar-lhe minha bela cidade. Visitem o blog e me ajudem a criar essa possibilidade de encontros. Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Thiago!
      Acho mesmo que um dos prazeres maiores da vida é viajar... é quando podemos fugir um pouquinho da nossa realidade. Parabéns por sua iniciativa. Muito bacana!

      Beijão!

      Excluir
  21. Saudade é uma coisa que doi muito :C

    Com amor,
    Bruna Morgan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Bruna!
      Com certeza! Determinadas ausências machucam mesmo.

      Beijão! ;)

      Excluir
  22. Olá doce poetisa, passado e futuro não existem, existe o agora, e temos de não deixar o mesmo roubar todas as nossas emoções, sendo as mesmas positivas em sua maioria, bjs e feliz dia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Samuel!
      Meu querido poeta! Certamente, devemos estar focados no presente. Mas, às vezes, mesmo contra a vontade, damos uma olhadinha para trás.

      Beijo grande!

      Excluir
  23. Que texto lindo, amei :D

    submersa-em-palavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Monyque!
      Fico muito feliz. Obrigada por sua visita.
      Volte sempre! ;)

      Beijão!

      Excluir
  24. Adorei o texto! É aquilo né: devemos seguir em frente e estar dispostos a sentirmos as nossas emoções e não deixa-las de lado.
    Um beijão,
    Gabs | likegabs.blogspot.com ❥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Gabs!
      Com certeza. Dificilmente alguns sentimentos podem ser camuflados.

      Beijos, querida!

      Excluir
  25. Lutar com estranhos é fácil, mas consigo mesmo é árduo ou quase impossível. Em assuntos mais contrapostos, tem que dar um estado na cabeça da gente para tomar novo rumo em um desvio de rota. Muitas vezes lutamos inutilmente contra nós mesmos. Grande abraço. Laerte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Laerte!
      Você tem toda a razão. Geralmente, somos nossos piores inimigos. E essas, são as batalhas mais penosas, sem dúvidas.
      Seja bem-vindo! Obrigada por sua visita.

      Beijão!

      Excluir
  26. Olá, querida Helena, que vive falando de "Caos", mas que conhece mto bem seus sentimentos e os dos outros, também.

    És uma mulher mto inteligente, sensorial e sensitiva, de olhar profundo, uma excelente escritora e se ainda não tens o curso de Psicologia, será fácil consegui-lo, pke tens a matéria em dia e bem estudada.

    Todo o mundo tem batalhas íntimas, mas cada qual as resolve como sabe, como pode, como quer. Elas dependem, sempre, e só de nós.

    Saudade, que é "isso"? Foi bom, enqto durou, mas "agora" é passado e passado é pra museu.

    Solta, liberta teu coração e não dês importância, nenhuma mesmo, a gente que tem caca no cérebro e não massa cinzenta.

    Beijos e bom domingo.

    QUE A PRIMAVERA RENOVE TUA VIDA, INTERIOR E EXTERIOR!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Céu!
      Não sou merecedora de tantos elogios, minha querida! Só posso agradecer a sua gentileza e o seu carinho. Mas não se engane, esse caos, essa mistura de emoções sempre está presente no meu íntimo. O melhor a fazer é tentar conviver da melhor forma possível. Errando na maioria das vezes, mas acertando de vez em quando... ;)

      Obrigada pela visita.
      E um ótimo fim de semana para você.
      Beijo grande!

      Excluir
    2. Olá, Helena!

      Claro que é. Acredita que não sou de deitar palavras o vento, nem bajuladora.
      Li teu mais recente post e mta colisa está explicada. Com o avançar da idade, vais ver que as coisas vão mudar e se fores mãe, um dia, então, verás o mundo de outro jeito (te fala uma mulher, por opção, não quis, não quer ser mãe).

      Novo por por lá. Obrigada!

      Beijos.

      Excluir
    3. Olá, minha querida poetisa!
      Agradeço sempre a tua visita e teus tão sábios conselhos. Você é uma presença indispensável aqui no meu cantinho. Muito obrigada!

      Beijo grande e uma ótima semana para você! =)

      Excluir
  27. Amei o texto :D

    submersa-em-palavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  28. Profundíssimos! Adoro textos reflexivos! Amei. Beijos, Helena.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Fábio!
      Fico muito feliz! Eu que adoro as suas visitas. Muito obrigada! =)

      Beijo grande!

      Excluir
  29. "Alimentar o passado causa rachaduras profundas em nossos corações."

    Não é bom alimentar esse bichinho chamado passado, né Helena.
    Ele cresce muito, as vezes é meio hostil, vez ou outra morde a mão de quem o alimenta, esse ingrato.

    Mas somos bonzinhos demais, nunca resistimos a deixá-lo completamente faminto... mas faz parte.

    beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Eric!
      Poxa, nem me fala. É difícil mesmo deixar o bichinho morrer por inanição! Mas são desses maus hábitos que devemos nos desvencilhar, não é mesmo? ;)

      Beijos, querido!

      Excluir
  30. Tome cuidado com o Innamorato.

    Todas o consideram um 'homem' maravilhoso. O GRANDE TRUQUE --- Mostrar-se muito amigo.

    Anda simplesmente no ENGATE.

    Innamorato é só um dos numerosos nicks que usa.

    Esse gajo vale ZERO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Dora!

      Obrigada pelo aviso. Mas não posso reclamar e nem me queixar de alguém que sempre me recebeu muito bem e que sempre foi agradável comigo. Acho que isso seria melhor resolvido em uma conversa entre vocês dois...

      Excluir
  31. Os português sempre chorando, chorando, chorando sobre os territórios perdidos de séculos atrás. Portugueses burros RACISTAS viver no presente não para o passado!

    PUTUGAL e uma merda e verdade e verdade! Nao trabalhos pa os Velhos e os Jovems...e verdade e verdade! E racismo puro e muito desgraciado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O louco continua à solta, Helena! Não entendo as pretensões dessa criatura.

      Não sou brasileira, mas talvez se arranje alguém da favela, que o coloque no sítio. Tá precisando!

      Excluir
    2. Ai, nem me fale, Céu! Esse tem mesmo um caso mal resolvido com Portugal!

      Excluir
  32. Conviver com a saudade é horrível, temos que ter muita maturidade pra aprender a lidar com isso.
    Beijos
    Mundo de Nati

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Nati!
      Não é mesmo nada fácil. Mas algumas situações são inesquecíveis, não tem jeito!

      Beijão!

      Excluir
  33. Interessante...
    Me faz pensar na (minha) frequente auto-ilusão de que sou invulnerável, que emocionalmente sou parte da paisagem, como uma árvore...
    Fácil, porém, esquecer que árvores, independente sua vontade, dão frutos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Luiz Carlos!
      Acho que, por vezes, até construímos as nossas barreiras que, em um piscar de olhos, desmoronam. A verdade é que não há o que nos proteja.

      Seja bem-vindo! ;)
      Beijos!

      Excluir
  34. Olá Helena. Amei esse texto. Gostaria de comentar sobre ele melhor mas infelizmente ele me toca mais profundamente do que minhas palavras são capazes de expressar agora. Quem sabe outro dia...
    Guardarei essas verdades no fundo de meu coração.
    https://notas-poeticas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Lua querida!
      Muito obrigada por seu gentil comentário. Sempre é um prazer te receber por aqui!
      Volte sempre que puder. ;)

      Beijos!

      Excluir
  35. Encontrei seu blog por acaso e fico sem palavras para descrever o que senti lendo tuas escritas!
    Parabéns. Tens a capacidade de nos fazer sentir cada palavra escrita e nos identificar por completo.
    Segui, um beijo.
    Through My Eyes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Milene!
      Que doces as suas palavras, querida. Muito obrigada por sua gentileza. ;)

      Seja muito bem-vinda!
      Beijo grande.

      Excluir
  36. HELENA,

    confesso minha absoluta inabilidade para fazer afirmações definitivas sobre sentimentos!
    Permita-me passar nesta?
    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Paulo!
      Ah, mas nada é mesmo definitivo. Certamente, amanhã já mudarei de idéia. ,)

      Beijos!

      Excluir

Se você conseguiu chegar até aqui é porque teve paciência suficiente para agüentar minhas insanidades. Prometo agüentar as suas também... Vai! Me diz aí o que você pensa.Tenho certeza de que vou adorar!