domingo, 5 de fevereiro de 2017

Verdades Amargas

Eu proponho um brinde às paixões fulminantes: aquelas que provocam vertigens, soltam faíscas e ardem na alma! Quem não gosta, afinal, do friozinho na barriga, da sensação de borboletas no estômago e das pernas bambas a cada nova descoberta? São paixões que atraem na mesma proporção em que amedrontam - tão intensas quanto efêmeras e conforme se esvaem, deixam o nosso coração em estado avançado de putrefação.
 
(Mas quer saber a verdade?)
 
Despir as roupas é muito fácil, complicado mesmo é despir as máscaras. Vomitar declarações fajutas próprias de um amor dissimulado é simples, difícil é permanecer voluntariamente apesar de todos os medos, inseguranças e imperfeições. Somente quando a ficção cede lugar à realidade e a rotina não é capaz de massacrar uma relação, a entrega pode ser plena - nunca subestime o poder mágico da sucessão dos dias que fazem as barreiras que criamos ao longo dos anos desmoronarem.
 
(Acredite: o tempo nem sempre é o vilão do nosso conto de fadas.)
 
Desculpe, mas dispenso qualquer relacionamento com prazo de validade. Ainda procuro secretamente alguém que não me considere apenas um maldito pedaço de carne - chega dos sentimentos ardilosos que bóiam entre um arrogante desinteresse! Hoje em dia almejo algo mais profundo, mais absoluto: talvez até uma convicção ameaçadora de quem sabe o que realmente deseja.

50 comentários:

  1. Um brinde a essas paixões fulminantes :)

    Gosto disso :)

    ResponderExcluir
  2. Um brinde ao amor que anda de mãos dadas com a paixão, um precisa do outro para eternizar.Boa semana.Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querida!
      Um brinde ao que for verdadeiro! :)

      Beijo grande.

      Excluir
  3. Despir as roupas é mesmo muito fácil. Então hoje em dia com o advento das redes sociais e das aplicações para telemóveis, é muito fácil olhar para uma cara bonita e perguntar: "na tua casa ou na minha"? Está tudo cada vez mais descartável.
    E sem dúvida que despir as máscaras, isso sim, é bem mais difícil. Acho que muitas vezes as próprias pessoas não sabem bem o que querem... Banalizou-se o amor. Ama-se tudo em hoje. Ama-se uma saia, um carro, uma bugiganga eletrónica, e depois já não presta porque saiu uma nova versão, e fica tudo em pulgas para comprar a nova versão. Deita-se a velha fora. É o consumismo. E agora também se consomem pessoas umas atrás das outras. Muitas vezes nem há tempo sequer para conhecer o outro! Quer-se ter, sempre o ter antes do ser. É como quem hoje descarrega centenas de músicas todos os dias da net - como é possível conhecer um disco se só se ouve uma vez? Não pode! Cada pessoa é especial, é única no mundo, não há duas pessoas iguais. Cada pessoa é cheia das suas idiossincrasias únicas, todos aqueles pequenos pormenores que nos fazem apaixonar por ela. Peço desculpa, entusiasmei-me e já me alonguei demais. Mas brindemos às paixões e ao Amor, que coitado acho que está em vias de extinção!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Konigvs!
      Não peça desculpas, você mais do que ninguém sabe o quanto me dá prazer ler as suas palavras. Você está completamente certo, as pessoas passaram a ser descartáveis também. Ama-se tudo ao mesmo tempo em que não ama-se nada, pois, ninguém mais possui interesse em conhecer profundamente o outro. E isso não é bom, afinal, são os detalhes que nos fazem seres únicos... se não os conhecemos, como poderemos amar realmente? Amar por diversos motivos e até mesmo, apesar de.

      Eu ainda acredito, sim, no amor! :)
      Beijos, meu bem!

      Excluir
  4. Helena,

    Um brinde merecido!
    E que os amores fulminantes se cumpram.

    Abraço!

    Dave.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Dave!
      Que boa a sua visita! =)
      Que se cumpram, certamente.

      Beijão!

      Excluir
  5. Só peço perdão a ti para considerarmos que as paixões fulminantes são justamente aquilo que deploraste no correr de teu belíssimo texto.Se o relacionamento desejado não tem prazo de validade (a paixão tem!) e é profundo (a paixão não é!) então esse relacionamento precisa enraizar-se no amor, no conhecimento, no relacionamento que promove antes o conhecimento dos seres que dos seus corpos. Eu brindaria contigo à honradez, ao caráter, à amizade, ao altruísmo. E não penso que seja utópico de minha parte. Isso existe. Muito.Como não é procurado nem perguntado, não se mostra. Se perguntarmos melhor, aparecem milhões.
    Un brindisi! Un bacio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Occhi di bambino!
      Ah, sim! Seu comentário é justo. Talvez não esteja muito claro...Você deve tomar o primeiro parágrafo com certo tom de sarcasmo. Na verdade, eu até acho que essas paixões fulminantes podem encher de cor a nossa vida. Mas são superficiais! Para chegarmos ao amor, precisamos conhecer alguém além da casca... e isso somente ocorre com o passar do tempo. É o tempo que nos faz criar uma relação de cumplicidade e de companheirismo e, obviamente, que acredito nisso também.

      Eu até acho, sim, que as paixões são dignas de um brinde. Mas o amor? Ah... esse é digno de veneração!
      Beijos!

      Excluir
  6. Belíssimo. Concordo plenamente!
    Um beijo

    Luc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, querido!
      Tenho uma ótima semana...

      Beijos!

      Excluir
  7. Respostas
    1. Olá, Roderick!
      Nossa! Quanto tempo... é muito bom receber sua visita novamente.
      O amor é, sim... muito perigoso, afinal de contas ;)

      Beijo grande!

      Excluir
  8. nisso tens razao... o pior numa ralaçao e saber como se abrir e tirar a mascara.. e se dar a conhecer sem medo que o outro a deixe...
    mas isso nao é amor, no maximo e paixao..
    amor é qdo somos aceites sem condicoes... e esses poucos encontram
    o amor nao é perigoso... perigoso é a paixao que nos consome e nos queima... por vezes confundimos os dois(pois normalmente andam juntos)
    bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Lua!
      Na verdade, não sei se acredito em amor incondicional entre um casal, mas acho mesmo que não devemos ter medo de expor quem realmente somos. Somente assim a entrega será real.
      Obrigada pela visita!

      Beijo grande.

      Excluir
  9. Chega mesmo desses sentimentos. Brindemos entao aos amores, ao sentimentos verdadeiros e ás palavras sinceras que alegram nossos dias sem nem mesmo percebermos (mas que fazem a toda diferença e são as de que mais sentimos falta quando não as temos).

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Isadora!
      Com certeza! Vamos valorizar o que há de real!
      Brindemos, sim, às conexões verdadeiras! Tim-tim ;)

      Beijinhos!

      Excluir
  10. A entrega que não é plena não é entrega, mas mera cena.
    GK

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, GK!
      Então que exista a entrega e a reciprocidade!

      Beijos! ;)

      Excluir
  11. Helena, querida, que belo texto!

    Estamos no mesmo barco. O mais importante é termos a consciência de que o que é de verdade, permanece. O que é descartável, se vai por conta própria.

    Continuemos nossa busca pelo que seja perene.

    Um grande beijo.
    www.dilemascotidianos.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Bruno!
      É isso mesmo! Vamos procurar um amor que não esfrie com o passar do tempo, que seja verdadeiro e envolvente. Talvez isso seja mais do suficiente...

      Beijos, meu querido!

      Excluir
  12. Um brinde! Principalmente ás loucas paixões que conseguem se reinventar e durar muito <3
    Um beijão,
    Gabs do likegabs.blogspot.com ❣

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Gabriela!
      É isso mesmo, querida! ;)
      Obrigada por sua visita.

      Beijão!

      Excluir
  13. Relacionamentos não tem prazos de validades, muito bom este texto, parabéns.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Arthur!
      Obrigada! Fico feliz por ter gostado.

      Beijo grande.

      Excluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. Que poema, viu! Muito bom! Visceral. Intenso, sincero. Lindo seu blog. Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Fábio querido!
      Fico feliz por sua visita. Apareça quando puder!

      Beijos!

      Excluir
  16. The heart have been just alived untill go out of the soul....but there have not in any feelings of Love,,
    its just the flaws...!!

    Thnx giving>>

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hi, Mohsin!
      Well... At least I believe in love. I hope you also believe.
      Thank you for your visit.
      ;*

      Excluir
    2. hope...at least!

      Thnx giving>>
      dear.

      Excluir
  17. A paixão é a mola propulsora das melhores obras de arte! abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ives!
      Que seja mesmo o combustível!

      Beijão.

      Excluir
  18. Boa tarde, a rejeição de ser usada como um pedaço de carne por alguém que se acha seu dono, é o caminho certo, no inicio de uma relação é difícil fazer cair a mascara de quem a usa, com o tempo o teatro acaba e a verdadeira personalidade vem ao de cima, isto para lhe dizer, que está sempre sujeita ao inesperado.
    AG

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, AG!
      Tudo mesmo é uma questão de tempo... que os relacionamentos durem tempo o suficiente para que as máscaras caiam, ao menos.

      Beijos, querido!

      Excluir
  19. Gostei de conhecer teu blog! Obrigado.
    Amei o 1º parágrafo, revejo-me nele!
    Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rui!
      Obrigada! =)
      Seja bem-vindo.

      Beijos!

      Excluir
  20. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  21. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sorry dear,
      watching.....certainly stopped.
      Thnx.

      Excluir
    2. You don't need delete your comments, Mohsin!
      It's your choice… I never asked for this.

      Excluir
  22. '' nunca subestime o poder mágico da sucessão dos dias que fazem as barreiras que criamos ao longo dos anos desmoronarem."
    Super verdade... jamais subestimar.
    beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Thaline!
      É isso mesmo. A cumplicidade entre as pessoas só passa a existir conforme o tempo passa...

      Beijão!

      Excluir
  23. Gostei muito do seu Post. Meus votos são que você encontre e viva a vida que deseja. Não desista! E quando encontrar que dure e seja intenso o suficiente para que diga valeu a pena esperar...

    Abc

    oiniciodavirada.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Wellington!
      Obrigada por sua visita.
      Que seja intenso e duradouro. Amém! ;)

      Beijo grande.

      Excluir
  24. Olá, querida Helena!

    Mais uma postagem das tuas, que parece ferir suscetibilidades, mas com a qual estou de acordo.

    Usar e deitar fora, está, sempre esteve na ordem do dia, mas é o tempo, a convivência, o conhecer o/a outro/a sem máscaras, que tudo determina e isso se chama amor com verdade.

    Novo post lá. Obrigada!

    Beijos e boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Céu querida!
      É a verdade! Envolvimentos superficiais são tão fáceis... difícil mesmo é a convivência, aceitar e compreender os defeitos e as falhas alheias. Acho que é justamente por isso que os relacionamentos, hoje em dia, duram tão pouco.

      Já, já estarei te visitando. É sempre um prazer!
      Beijos!

      Excluir

Se você conseguiu chegar até aqui é porque teve paciência suficiente para agüentar minhas insanidades. Prometo agüentar as suas também... Vai! Me diz aí o que você pensa.