domingo, 10 de junho de 2018

Vestígios

Eu não nasci para ser sol. Ainda que, temporariamente radiante, o brilho transitório sucumbe à escuridão sem oferecer resistência. Os sombrios resíduos emocionais são as provas inequívocas de que nem sempre é possível controlar todos os danos. 

(Em meu coração há lugares inóspitos onde a luz é incapaz de penetrar.) 

Contudo, eu não almejo salvação. A vulnerabilidade nunca foi característica intrínseca de minha natureza: domino a arte de guerrear sem, no entanto, perecer na linha de combate. Embora a fria determinação tenha aspecto assustador, um olhar cuidadoso revela somente o empenho de quem pode contar apenas consigo mesma. 

(Não trata-se de coragem. O medo, aliás, é um grande motivador.) 

Eu estou fora dos padrões ideais. Portanto, não me inclua em categorias onde os elementos são didaticamente classificáveis. O meu ser é composto de fragmentos puros e indecentes, um amontoado de vícios e de virtudes que garantem a minha funcionalidade. Sendo assim, escolha a perspectiva que mais lhe agrada. Ou então, não se apegue aos detalhes: simplesmente reconheça que, em determinados momentos, somos apenas o que nos convém.

23 comentários:

  1. "Virtude e Pecado são Inatos
    Nenhum prémio certo tem a virtude, nenhum castigo certo o pecado. Nem seria justo que houvesse tal prémio ou tal castigo. Virtude ou pecado são manifestações inevitáveis de organismos condenados a um ou a outro, servindo a pena de serem bons ou a pena de serem maus. Por isso todas as religiões colocam as recompensas e os castigos, merecidos por quem, nada sendo nem podendo, nada pôde merecer, em outros mundos, de que nenhuma ciência pode dar notícia, de que nenhuma fé pode transmitir a visão. Abdiquemos, pois, de toda a crença sincera, como de toda a preocupação de influir em outrem.
    A vida, disse Gabriel Tarde, é a busca do impossível através do inútil. Busquemos sempre o impossível, porque tal é o nosso fado; busquemo-lo através do inútil, porque não passa caminho por outro ponto; ascendamos, porém, à consciência de que nada buscamos que possa obter-se, de que por nada passamos que mereça um carinho ou uma saudade.
    Cansamo-nos de tudo, excepto de compreender, disse o escolista. Compreendamos, compreendamos sempre, e façamos por tecer astuciosamente capelas ou grinaldas que hão-de murchar também, as flores espectrais dessa compreensão." Fernando Pessoa, in 'Livro do Desassossego'

    Boa tarde Helena, deixo-te este pequeno texto de Fernando Pessoa como meu comentário ao teu belo Post.

    Bjs, agora vou de férias:)

    ResponderExcluir
  2. Olá, Legionário!
    É tão gostoso te ver por aqui... já sentia a tua falta!
    Que lindo texto. Muito obrigada por compartilhar comigo.
    Sabe que eu nunca li o seu conterrâneo? Mas estou bem inclinada a começar após tão sábios conselhos.

    Boas férias!
    Aproveite porque tenho certeza de que é merecido.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  3. Embora a fria determinação tenha aspecto assustador, um olhar cuidadoso revela somente o empenho de quem pode contar apenas consigo mesma.
    Essa frase é como uma fechadura que alguém destranca...somos seres únicos e a última palavra, o último suspiro, o decisivo momento pertence a nós mesmos, a sós com nossa unicidade.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Sandra!
      Perfeito o seu comentário. Muitas vezes, aliás, estamos solitários mesmo com pessoas ao nosso redor.

      Beijos, minha querida!

      Excluir
  4. Contar consigo mesma... Me identifica a muito tempo, pois não negócio minha subjetividade.
    Mas conto principalmente com Ele.
    Tenha uma excelente semana.Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Maria Emília!
      Com certeza... e que as nossas crenças nunca nos abandonem.

      Beijo grande!

      Excluir
  5. Que texto incrível. Adoro sua escrita e digo com toda certeza que espero escrever que nem você algum dia. Sério, o jogo de palavras que você usa sempre me surpreende!!

    É estritamente limitado classificar alguém em adjetivos sem extensões, a imensidão do ser se perde por entre os muros de palavras tão rígidas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Amanda!
      Ah... que delícia de elogios!
      Você escreve maravilhosamente e por isso nunca deixarei de te visitar.

      Muito obrigada, minha linda.
      É muito bom te ver por aqui.
      Beijocas!

      Excluir
  6. Com o que à tarde cai, o que nos arde vai.
    GK

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, GK!
      Como sempre, sensacional. :)

      Obrigada pela visita!
      Beijão!

      Excluir
  7. QUERIDA HELENA, VIM AGRADECER SUA VISITA E ME DEPARO COM UM TEXTO INCRÍVEL.Será que existe padrão ideal de ser humano!Todos somos diferentes, seres inacabados, portanto todos temos um pouco de loucura e o que seria do mundo se não fosse os loucos. Ao meu ver um caus. Imagina um mundo onde todos fossem iguais, certinhos... ninguém sobreviveria muito tempo.
    O meu ser é composto de fragmentos puros e indecentes, um amontoado de vícios e de virtudes que garantem a minha funcionalidade.

    O seu mundo, o mundo em que você se reconhece, encontram-se muitos , felizes ou não, mas resistindo, fazendo a diferença nessa vastidão de diferentes. Hora, sol, estrela ou cometa, todos brilhando ao seu modo e seguindo. No fundo do fundo o que vale do ser humano é a dignidade e a vontade de vencer sempre. Abraços querida, desculpe meu comentário, não sei se agradou. Fica na paz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Professora Lourdes!
      Corretíssima... muito bem explicado. O que seria do mundo, eu realmente não sei. Mas o que penso é que seria muito menos divertido, não é?

      É claro que os seus comentários me agradam... aliás, são sempre muito bem-vindos! Só tenho a agradecer por sua visita e o tempo dedicado.

      Muito obrigada de coração.
      Beijos!

      Excluir
  8. Olá querida Helena!

    Primeiro gostaria de agradecer sua visita lá no Alívio Imediato, já estava com saudades de ti.

    Fantástica escrita, essa sua capacidade de mexer com sentimentos jogando e misturando tudo é fascinante! Acredite, são raios de sol tão intensos que aquecem e iluminam muito. Se existe um padrão, prefiro estar fora da moda, nada melhor que ser oque somos, e nos lapidar seja por dor, ou simplesmente por raios de sol iluminarem nosso ser e mostrar aquilo que ainda não podemos ver.

    Beijos

    Desejo a ti muita paz, luz, amor e harmonia
    Wellington Maia

    ResponderExcluir

  9. HELENA RODRIGUES,

    por vezes, sucumbir sem oferecer resistência e como se nos dessemos a oportunidade de provar só um pouquinho,deixar que nos levem, usem e abusem...faz parte!
    A salvação não encontra em nossos pequenos e momentâneos atos libertários da mente e corpo nenhuma, nenhuma restrição, pois os deuses sabem que impossível chupar sorvete sem derreter.
    E não ser "politicamente correto" nesta sociedade destrambelhada de hoje é ponto a favor e lembro que somos eternos insatisfeitos,não determinamos com a precisão das ciências exatas o que estamos somando, dividindo,diminuindo ou multiplicando, pois impossível saber até onde podemos frear esta nossa carruagem de mágicas fantasias e intenções, por aí afora!
    "Somos o menor dos pequeninos, muitas vezes o mais pobre dos plebeus, do alheio inquilino, o comum do singular, o últimos dos derradeiros... mas...sou bem maior que os pinheirais da humildade, pelos campos da bondade eu sou a felicidade"!!!
    Esta é uma música , um "sambinha " de Ederaldo Gentil,da antiga e se puder escute neste endereço do youtube, cantada pelo Paulo Cesar Pinheiro, afinal o importante é que a emoção sobreviva.
    Ela é só vestígios,também

    COPIE E COLE)
    https://www.youtube.com/watch?v=eDYjp6oJmJE

    Beijo e um abração carioca.

    ResponderExcluir
  10. Olá Helena, como vai?
    Primeiramente quero te parabenizar, você tem um dom lindo de escrita, seus textos são cativantes e intensos, me deixaram apaixonada.
    E segundo lugar queria dizer que me identifiquei muito com seu texto, não sou muito de querer encaixar em todos os lugares, prefiro minha autenticidade, afinal que graça teria se fossemos todos iguais, não é mesmo?!
    Acabei de conhecer seu blog e estou encantada, parabéns pelo cantinho, já estou seguindo.

    Beijão!
    http://luumusiando.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Olá Helena, passeio por aqui por curiosidade, vinda do cantinho da Prof. Lourdes que nos envolve em amor de nós, dos outros, e carinho da parte dela infinito :) chego aqui e levanta-se o véu da "revolta" e da discrepância na descoberta de seres "imperfeitos" que encobrem os seus desafios e surpreendentes lados menos "celestiais" do que seria de pensar :)
    beijoca !
    Angela

    https://poesiesenportugais.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. de fato, somos muitos. e somos o que nos convém em determinados momentos. camuflagem. a arte! :P

    abraço.

    ResponderExcluir
  13. Olá Helena,

    Não suma assim por tanto tempo, deixa a gente ansioso na expectativa. ;D

    Mais uma vez você me torceu as entranhas pelo tanto que me identifiquei.

    - "O meu ser é composto de fragmentos puros e indecentes, um amontoado de vícios e de virtudes que garantem a minha funcionalidade",

    Diria de mim mesmo na minha própria linha de frente de um conflito onde partes de mim se vão com pequenas e grandes dores íntimas e surdas.
    Coisas que quiz, desejos inalcansáveis, pessoas que se foram, pedaços meus que se desencaixaram quando mal aprendi a conhecê-los.
    Tudo isso frente a cada vez maior auto-consciência de minha trajetória e limitações no tempo.
    Segue o jogo.

    Beijos e até logo mais!

    Dave.

    ResponderExcluir
  14. D+! Profundíssima! Intensa! Conflitante! Instigante! Otima de ler, sempre. Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Olá Helena, td bem?

    Os seus textos são sempre muito inspiradores e profundos. Num mundo cada vez mais quadrado e conservador ser fora dos padrões é um grande absurdo, querem classificar as pessoas como se isso fosse possível. O pensamento tem que ser livre, o comportamento da maneira que cada um quiser e as idéias soltas pelo ar.

    Belo texto, gostei muito de ler!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  16. O que somos nós, se não apenas os vestígios que, a cada segundo, vamos deixando (e que vão, em seguida, desaparecendo)?

    Lindo texto!

    Abraços e um domingo bonito para você 😘


    As moscas na janela

    ResponderExcluir
  17. Não sou esperto nem bruto
    Nem bem nem mal educado;
    Sou simplesmente o produto
    Do meio em que fui criado.

    António Aleixo

    Bom dia, ser o que queremos é sermos autores da vida conforme a ocasião, quer queiramos ou não, somos o que somos, só nos aceita quem quer, o desejo de ser diferente é um direito, só que a sociedade não permite que o desejo se concretize em definitivo, passado algum tempo a diferença é esmagada pela rotina.
    Continuação de feliz semana,
    AG

    ResponderExcluir

Se você conseguiu chegar até aqui é porque teve paciência suficiente para agüentar minhas insanidades. Prometo agüentar as suas também... Vai! Me diz aí o que você pensa.Tenho certeza de que vou adorar!