sábado, 12 de junho de 2010

Sobre duas rodas

Após um leve conflito por achar que não possuía vida durante a semana reivindiquei um novo horário de trabalho e... (pasmem) consegui! É claro que nada é tão simples: isso implicou na perda de minha carona, mas mesmo assim, achei que o saldo foi positivo. Doce ilusão! Enfrentar ônibus às dezoito horas, cuidando para não ser pisoteada pela multidão, confesso que não foi uma de minhas melhores experiências.

Nessa semana, prestes à sair, meu colega de trabalho que é motociclista (chamá-lo de motoqueiro é comprar briga, na certa!) se ofereceu para me deixar em casa. Relutei um pouco, afinal, ele mora do lado oposto da cidade; contudo pensei: E por que não?

Vou desconsiderar a calça justíssima e o salto-alto que tornaram-se um problema para subir na moto, pois, o pior de tudo definitivamente foi o tamanho do capacete (nem duas cabeças ocupariam todo aquele espaço). Depois de corredores intermináveis, pedestres doidos, cachorros perdidos e veículos desgovernados, eu sobrevivi! O meu primeiro impulso ao descer foi beijar o chão, porém, não quis parecer mal-agradecida - apenas arrumei o emaranhado que tornou-se o meu cabelo (quanto glamour!) e pedi desculpas por ter quebrado suas costelas.

Nos dias seguintes fui sorridente em direção ao ponto de ônibus.

13 comentários:

  1. Olá Helena...
    Que experiência enriquecedora... rsrsrrs... às vezs precisamos sofrer um pouco para valorizar o que, aparentenmente, não tem nenhum valor, como andar de ônibus...(??!!!)
    Mas que bom que vc sobreviveu.
    Espero que este dia (dia dos namorados)não seja um problema pra vc, ao contrário, tomara que seja muito agradável.
    BB, no dia 3 de junho eu ofereci a vc lá no meu blog, um selinho "Mulheres Fabulosas" que talvez vc não tenha visto. Se vc o quiser, vá lá buscar. É com carinho que lhe ofereço.
    Um bom fds.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Se ônibus já é um problema, imagina o que passo no trem indo pra Porto Alegre diariamente. Esse povo mal educado e que não respeita nada.

    ResponderExcluir
  3. Agora pede férias ... rs
    Passa aqui comigo !

    ResponderExcluir
  4. Corajosa, rs! - As vezes em certas ocasiões sem saída, aceitamos convites deste tipo.
    Valeu pela visita, beijos e boa sorte na próxima saída do trabalho, rs!

    ResponderExcluir
  5. (risos)
    "cachorros perdidos". Digno de prêmio de literatura! Muito bom Helena.
    Agora é sair cedo, antes que lhe ofereçam mais caronas arriscadas.

    ResponderExcluir
  6. Pois é, Lua. Descobri na pele, que nada é tão ruim que não possa piorar ;)
    Obrigada, vou retirar, sim!

    Eric, imagino como deve ser péssimo ter que enfrentar todos os dias, principalmente, viagens longas... eu demoro uns 15 minutos até em casa e já acho o fim!

    Rodrigo, cuidado com os convites que me faz. Vai que para a sua infelicidade, resolvo aceitar?

    Socorro, depois dessa, sempre haverá outra saída.. nem que eu dependa das minhas próprias pernas.

    Rockson, não dizem que de boas intenções, o inferno está cheio? Pois é... agora resolvi duvidar da prestatividade das pessoas ;)


    Beijos para vcs!

    ResponderExcluir
  7. Hahaha, também tenho um amigo "motoqueiro", ao contrário, no entanto, não preciso quebrar os ossos dele. :)
    Seguindo-te, gostei daqui.

    Beeejo pra vc, :)

    ResponderExcluir
  8. Tenho a impressão que apenas helenas sabem viver.

    ResponderExcluir
  9. eu tenho muito medo de ser carona em moto. Prefiro o bus com certeza.

    ResponderExcluir
  10. É, Ana. Eu esmago mesmo ;)
    Seja bem-vinda.

    Herculano, talvez saibam mesmo... do jeito que lhes convém.

    Ad, o bom mesmo é pilotar. Carona? Nunca mais.


    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Fique feliz, pois 90% das mulheres sofre por causa das motos. Adorei o post uns dos melhores q já vi ate hoje.

    ResponderExcluir
  12. Agora tenho a dimensão do sofrimento, Gabriel. Obrigada pelas palavras! Bjão.

    ResponderExcluir
  13. hahahhaha....

    Muito boa!!
    Tens histórias maravilhosas e olhos tbm(aproveitando para babar ovo um pouco)

    *.*

    ResponderExcluir

Se você conseguiu chegar até aqui é porque teve paciência suficiente para agüentar minhas insanidades. Prometo agüentar as suas também... Vai! Me diz aí o que você pensa.