sábado, 29 de maio de 2010

Rebelde Sem Causa

Não acho que fui uma criança convencional, afinal, enquanto minhas amigas brincavam de bonecas eu jogava bola com os meninos - sempre descabelada, diga-se de passagem. Não gostava nem um pouco de vestidos e fitinhas, tinha paixão por bicicletas, pular muros e estapear coleguinhas no meio da rua. Uma de minhas recordações mais nítidas é de ter solicitado ao "papai-noel" um carrinho de controle remoto mas enganando-se com o pedido, um urso de pelúcia veio em seu lugar. Resultado? Frustração, é lógico!

Cresci, os cabelos melhoraram (reconheço!), mas a adolescência também foi uma fase conturbada: troquei o futebol pela maquiagem e pelo salto-alto, iniciando minha vida boêmia. Saía muito, chegava pela manhã, aprendi a "beber mais do que homem" (como dizem meus amigos!), com algumas atitudes de irresponsabilidade total, admito. Sem mencionar os vários brincos, piercings e tatuagens que vieram nesse meio tempo.

Quando a cabeça não pensa é o corpo que padece, assim, conservo resquícios dessas épocas - cicatrizes em diversas partes do corpo, alguns brincos e, além disso, meu fígado continua total flex.

É... talvez algumas coisas nunca mudem mesmo!


*** Bartenders

17 comentários:

  1. Que bom encontrar um post seu... espero que esteja bem... acho vc uma pessoa interessante e que não consegue passar desapercebida mesmo querendo. É uma questão de personalidade, de força interior e se a temos, não devemos lamentá-la. Ao contrário, fazer o que vc faz, tirar o melhor partido dela. Ás vezes demoramos para entender essa força e controlá-la para que nos seja favorável. Sabe, feito mangueira de apagar incêndio que tem um jato d'água muito forte.
    Afff... espero que vc entenda o que quero dizer... rsrsrsr..
    Um delicioso FDS.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Você tem razão.
    AINDA não me arrependi das tatoos que fiz quando era mais nova e não tinha quase nada na cabeça. Espero que esse dia nunca chegue. Querendo ou não, faz parte de um pouquinho da nossa história, né?!


    "Quando a cabeça não pensa, o corpo padece."

    grande verdade!

    beijão!

    ResponderExcluir
  3. Fiquei foi curioso para encontrar seus piercings e caminhos tatuados ...
    Curioso também em saber que não poderei embebedá-la e aproveitar-me de momentos de fraquezas... Minha adolescência também foi diferente... Acabou que não me formei como gostaria e as vezes é tão natural em mim que dá raiva, odeio ser "bonzinho" ...

    Mas o chato mesmo disso tudo é a suadade!
    Não da infância, é de você mesmo...
    Beijo !

    ResponderExcluir
  4. Nunca fui do estilo rebelde sem causa. Não que eu seja certinho ou cuidadoso, mas porque até as bobagens que eu fiz (e eram muitas) eram extremamente pensadas e planejadas, de maneira que eu não me arrependo daquilo que eu fiz conscientemente.
    Talvez essa minha atitude tire um pouco da graça da coisa, mas é melhor do que o clássico "porra, onde q eu tava com a cabeça quando fiz isso?"

    beijos

    ResponderExcluir
  5. Ser rebelde é o que há SAHASUASHASUAS
    Adoro *-* hahahaha
    Beijão =*

    ResponderExcluir
  6. Agradecendo aqui sua visita no Uivos Helena. Mesmo que tenha demorado um pouco XD.

    Eu sou da premissa que todo mundo tem uma fase rebelde. Se não é na infância, é na adolescência. Ou quando fica adulto e se emputece de tudo. Ou mais velho, quando foi certinho a vida toda e resolve curtir tudo que não curtiu até então. Ser certinho forever não dá.

    Minha fase rebelde vai chegar... ah se vai...

    Abraços!

    ResponderExcluir
  7. Acho que isso tudo é apenas fase, viva o que tem para vc viver. Isso é experiencia propria. Tudo tem seu tempo e sua hora.

    Otimo post.

    ResponderExcluir
  8. Olá, Lua. Não se preocupe, sempre estarei por aqui, uma vez por semana, ao menos. Entendi sim, o que você quis dizer, uma espécie de canalização de energias e concordo mesmo contigo. Como o fim de semana já passou, te desejo um ótimo início.

    Roberta, tudo faz parte, afinal de contas, são as peculiaridades da nossa personalidade. Sou contra qualquer tipo de arrependimento; confesso que existem coisas que faria um pouquinho diferente, mas arrependimento? Jamais!

    Rodrigo, sempre me faz rir com seus comentários. Quanto ao piercing e às tatuagens, te garanto que não estão em locais tão escondidos assim, e não acho que você teria mesmo coragem de aproveitar-se de um momento de fraqueza proporcionado pela bebida ;) Em relação à faculdade, ainda há tempo... se é algo que você quer mesmo, sempre há.

    Eric, cada um tem seu jeito, e admiro muito as pessoas que conseguem racionalizar, principalmente, tratando-se de sentimentos (nem que seja parcialmente!). Seria uma ótima conseguir isso, mas quando vejo, já meti os pés pelas mãos. Questão de prática, talvez. Quem sabe um dia eu consigo...

    Carol, tu tens a maior cara de rebelde, garota! Imagino que nem disfarçar, deve conseguir ;)

    Lobo, algumas coisas são inevitáveis e sem idade certa para ocorrer. A não-conformidade frente algumas situações, com certeza, não é de todo mal.

    Gabriel, obrigada. Talvez a fase passe,mas a essência sempre será a mesma, não tem jeito.

    Beijo grande para todos!

    ResponderExcluir
  9. Minhas cicatrizes, principalmente no joelho, são marcas de guerra! Aliás, bem melhor ser menino do que menina na infância, você não acha?

    ResponderExcluir
  10. (^_^) Só passando pra ver como vc esta.... e não sei por que rir.....é pensando bem eu até gostaria de ter sido um pouco mais descontraido, mas fazer oque né.
    Sempre fui o Caxias, certinho que não bebe, não fuma, não chega tarde em casa e não sabe dançar (mas no caso da dança talvez eu ainda tente aprender...8p).
    Vc sabe dançar?????? se souber, talvez um dia possa me ensinar....8D

    Bommmm....tchauuuu

    Bjo, Qjo e uma taça de vinho..
    ^)3(*^_^*)

    ResponderExcluir
  11. Sujeito, concordo contigo. Fico horrorizada quando vejo algumas mães tratando as filhas como bonecas.

    Marcelinho, já sentia tua falta por aqui. E não se culpe, não ter vícios é ótimo... eu é que só sirvo como mau exemplo mesmo.
    Meus pais são ótimos dançarinos e aprendi com eles desde pequena - pode ficar tranquilo que não é difícil, é só ter um pouquinho de persistência. E nada me impediria de te ensinar, é lógico! ;)

    Beijo grande para vcs.

    ResponderExcluir
  12. Se chorei ou se sofri... O importante é que emoções eu vivi! (risos). Esse post, lembra um pouco essa música... E mostra a dura certeza: ESCREVEMOS NOSSA HISTÓRIA, sem clichê! Mas é fato!
    E assim fica a eterna dúvida: genético? Social? Pessoal?
    É como você bem disse - as cicatrizes mostram o início e o trajeto das escolhas, o fim é a eterna icógnita

    ResponderExcluir
  13. Como fico feliz quando encontro um blog nesse nível... Não largo mais, vou seguir!

    ResponderExcluir
  14. piercings são legais! Beber até pela manha também haha gostei :)

    ResponderExcluir
  15. Isso mesmo, Rockson. Não importa como, mas vamos seguindo... muitas vezes, nem acho que o importante é onde queremos chegar, mas o caminho percorrido.

    Muito obrigada, Kleiton. Seja bem-vindo!

    É sim, Matheus. Não tenho tanto pique quanto antigamente, mas ainda faço das minhas ;)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. "Quando a cabeça não pensa, o corpo padece."

    Minha mãe sempre me dava um conselho...dizia uma frase parecida com essa, que já não me lembro como... mas eu achava que era uma bobagem... eu também fui rebelde (ainda sou um pouco)... por isso acabamos por ficar com marcas...cicatrizes...não só no corpo, mas dentro de nós

    Vim fazer uma visitinha ao seu blog através de outro blog, e gostei bastante...
    Virei visitar mais vezes, se me permite ;)

    ResponderExcluir
  17. Tem razão, Aninha. Algumas coisas levamos para a vida inteira...Seja bem-vinda e apareça quando puder.

    Beijos.

    ResponderExcluir

Se você conseguiu chegar até aqui é porque teve paciência suficiente para agüentar minhas insanidades. Prometo agüentar as suas também... Vai! Me diz aí o que você pensa.