quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

A festa não acaba

Não posso dizer que odeio carnaval, afinal, odiar a festa mais popular do país, deve ser coisa de gente mal amada; não considero uma época de orgia oficial, e muito menos, instrumento de alienação cultural. Na verdade, por muitos anos, fiquei contando os minutos até que esse pequeno período de recesso chegasse - período aliás,que servia de justificativa para tudo: desde término de relacionamentos até caminhadas de quilômetros, tudo em função da festa! Natural... coisas de adolescentes, histórias que provocam boas gargalhadas, mesmo depois de tanto tempo.

Esse ano, pela primeira vez, decidi não viajar. Tenho minhas dúvidas se teria mesmo paciência para multidão, engarrafamento,euforia, suor, samba e gritaria. Continuo gostando das fantasias, dos carros alegóricos, do colorido, da alegria; mas dessa vez, meu espírito carnavalesco não aflorou. Quem sabe no próximo ano...

3 comentários:

  1. Parabéns pelo Blog Helena, postagens com temas super interessantes!

    Quanto ao carnaval, antigamente ele poderia ser chamado de festa pop... Hoje, ele está se submetendo à regras capitalistas e os melhores carnavais do pais infelizmente são pagos =[

    Com isso, os alicerces culturais da verdadeira folia estão se perdendo. Mas, sem dúvida o carnaval brasileiro ainda é uma das mais belas festas do mundo...

    Também não me animo tanto mais aqui na minha região, acho q preciso viajar pra outros carnavais nos próximos anos.

    Bjuss!!!

    ResponderExcluir
  2. Gostei daqui e digo que meu espirito carnavalesco também não se aflorou neste ano ;)

    ResponderExcluir
  3. Seja bem-vindo, Renan. E olá, novamente, Matheus, que bom que retornou.

    Nem tudo está perdido, quem sabe ano que vem possa ser diferente. Ou não! Foi tão bom ficar longe dos foliões desesperados, que nem sei se me arrependi, não ;)

    ResponderExcluir

Se você conseguiu chegar até aqui é porque teve paciência suficiente para agüentar minhas insanidades. Prometo agüentar as suas também... Vai! Me diz aí o que você pensa.