terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Velha? Nem tanto...

Sempre acreditei que aos dezoito anos meus problemas seriam solucionados: não seria barrada ao sair, poderia dirigir e comprar (sozinha!) meu cigarro e minha bebida sem ser incomodada. Os dezoito chegaram, passaram e todas as minhas crises persistiram: crise existencial, de nervos, de identidade.

A verdade é que nunca gostei de fazer aniversário mas este ano especialmente o colapso foi maior: 26 anos, ou seja, mais perto dos 30 do que dos 20. Com meu histórico não é nada fácil: foram três faculdades trancadas, inglês, piano, e por aí vai... de ballet até curso de astronomia. (E não! Não é piada!). Tudo sem conclusão.

Alguns tentaram me animar e creio que foi difícil - afinal, uma pessoa inconsolável não é tarefa agradável. Admito que tentei fugir, me esconder, desligar meu celular. Mas no almoço com minha família (desse não tive como escapar!) talvez notando o meu desespero, minha avó no auge de seus 94 aninhos disse que sou apenas uma criança. Eu ri. Muito. E foi só nesse momento que percebi o quanto sou idiota.

O jeito foi sair para comemorar, aceitar os parabéns e sorrir quando a tão famosa musiquinha veio em dez línguas diferentes. Não dizem por aí que o conflito é necessário para o crescimento? Então... estou à caminho pelo jeito.

3 comentários:

  1. Oi... Vim aqui para agradecer o seu comentário no meu blog, hoje em dia são poucas pessoas que se dispõem a ler o que as outras escrevem...
    E aproveito para passar minha impressão sobre esse texto. Meu aniversário está chegando (o 27º), acho normal nessa época a gente pensar um pouco sobre o que já fizemos (ou não fizemos). E claro que às vezes nos cobramos demais, podemos achar que fizemos tão pouco perto do que gostaríamos de ter feito. Mas com certeza sua vó está certa, você ainda é uma criança, tem muita coisa pela frente ainda... Feliz aniversário, atrasado!

    ResponderExcluir
  2. Eu ainda estou a caminho de descobrir meus outros talentos mas acho que a vida é isso mesmo: ir se adaptando e nunca crescer, afinal sorrir é o melhor que ela nos dá!!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. É um sonho.
    É a mesma coisa de quando eu entrei na universidade achava que tudo seria mais fácil.
    Foi quando descobri que nada tinha mudado.
    rsrsrr
    É a vida. Faz parte.
    Beijos!

    ResponderExcluir

Se você conseguiu chegar até aqui é porque teve paciência suficiente para agüentar minhas insanidades. Prometo agüentar as suas também... Vai! Me diz aí o que você pensa.Tenho certeza de que vou adorar!